Trilha Cervejaria inaugura tap room em Perdizes onde fabrica e serve ótimos chopes

TRILHA CERVEJARIA1B

Com a multiplicação em São Paulo dos brewpubs — bares que fazem a própria cerveja —, tornou-se recorrente para apreciadores da bebida o prazer de bebê-la direto na fonte. Um novíssimo endereço para entrar no radar desta turma é a Trilha Cervejaria.

TRILHA CERVEJARIA3Criada como cervejaria cigana no fim de 2016, a Trilha ganhou há menos de dois meses (17/8) um ponto fixo para fabricar e vender suas criativas (e ótimas) receitas. Localizada em Perdizes, num imóvel que era uma oficina mecânica, a casa é um autêntico tap room. Não tem mesas nem cozinha nem garçons nem frescura. Paga-se e retira-se tudo no balcão.

As cervejas são produzidas em tanques de cozimento, fermentação e maturação à vista do público. Envazam-se os barris lá mesmo, que seguem para a câmara fria e abastecem as dozes torneiras disponíveis.

TRILHA CERVEJARIA2A Trilha foi criada por quatro sócios, entre eles os amigos de infância Daniel Bekeierman — que deixou a carreira corporativa para apostar no projeto — e o chef Beto Tempel (ex-Lox Deli e Le French Bazar), que se tornou também mestre-cervejeiro. Algumas criações apostam num estilo cada vez mais em alta, chamado juicy IPA ou new england IPA (NEIPA), caso da cítrica e aromática Citra-me (22 reais; foto), feita com um único lúpulo, o americano Citra.

TRILHA CERVEJARIA6Diferentemente das west coast IPA, as new england IPA têm como característica a aparência turva, o maior uso de dry hopping (adição tardia dos lúpulos) e também menor obsessão pelo alto amargor.

Nas visitas realizadas foi possível provar ainda a saborosa Damascus (saison com damasco; 22 reais) e a robusta Blackrose (19 reais), russian imperial stout com café e chocolate amargo marcantes no sabor. Um dos últimos lançamentos, a BrownBrown (16 reais; foto) também merece atenção. Trata-se de uma interessante double brown ale com 8% de álcool e amêndoa e baunilha na fórmula.

TRILHA CERVEJARIA4O público da casa ainda é majoritariamente formado por bebedores de carteirinha. Um inconveniente do bar é não oferecer nada para comer antes da farra etílica. Quem quiser pode pedir delivery (os folhetos-cardápio ficam fixados num enorme painel de cortiça). Ou resta torcer para acertar o dia em que há food trucks por lá, estacionados em frente.

Um lance bacana: a casa tem um equipamento chamado crowler que permite envazar na hora, em lata de 1 litro que aguentam até sete dias na geladeira, qualquer um dos chopes disponíveis. Custam, em média, 60 reais cada um. Em medida louvável, a água filtrada (foto) é por conta da casa.

Trilha Cervejaria
Rua Apinajés, 137, Perdizes, tel.: (11) 4329-0193.
Quarta a sexta, 17h/22h;
Sábado, 12h/23h;
Domingo, 12h/22h.
Fecha 2a e 3a-feira.

Foto da cerveja BrownBrown: @henderson_furst



HIGHLIGHTS
Trilha Cervejaria

Faixa de Preço: $$
Tipo de Cozinha: Não possui

Jornalista paulistano, foi crítico de bares da revista "Veja São Paulo" durante dez anos — período em que escreveu e foi jurado das edições anuais "Comer e Beber". Antes, trabalhou como colunista do jornal "O Estado de S. Paulo" (de 1994 a 2001) e colaborou para os extintos "Jornal da Tarde" e "Época São Paulo". Nos últimos dez anos, visitou dezoito países, sempre em busca de bons lugares para comer, beber, badalar e exercitar a boemia.

Seja o primeiro a comentar