Com ambientação cativante, Dhomus torna-se num dos endereços do momento no Itaim

A conhecida Rua Amauri, no Itaim Bibi, possui duas facetas bem distintas. De um lado da Avenida Nove de Julho, tem visual moderno, com fiação elétrica aterrada, e agrupa endereços refinados como Parigi, Osaka e Bottega Bernacca. Mas a via tem uma espécie de quarteirão ‘secreto’, mais arborizado e também residencial, do outro lado Nove de Julho.

É neste pedaço — onde reinou sozinho por décadas a Mercearia São Roque— que começaram a surgir boas atrações gastronômicas. É o caso do já disputado italiano Dhomus, inaugurado em dezembro.

Nestes tempos que pedem ambientes mais ventilados, o grandioso endereço de esquina acerta em cheio na arquitetura. O pequeno salão interno é rodeado por três grandes varandas — ou seja, praticamente 80% das mesas disponíveis são em lugares abertos. Em breve, a casa vai ganhar mais 30 lugares num terraço ao ar livre do terceiro andar, que está sendo finalizado.

Encabeçado por Marcelo Cintra, ex-sócio do Piselli, e mais seis investidores, o Dhomus tem no comando da cozinha o italiano radicado em São Paulo Leonardo Russi (ex-La Tambouille e ex-Grupo Leopolldo).

Em relação aos preços, o cardápio carrega uma particularidade: as entradas são caras, mas os pratos principais nem tanto.

Um disparate são as três vieiras servidas na concha com creme de berinjela e chouriço espanhol por 78 reais. Prefira uma das frituras, como o bom croquete de queijo de cabra boursin coberto por lâmina de peixe branco (56 reais; foto).

Massas, risotos, peixes e carnes compõem as sugestões principais. Na visita, o tagliolini all’arrabiata com lagostim (72 reais) surpreendeu pela apresentação, mas pecou pelo ponto passado do crustáceo.

Saiu-se melhor o strascinati (79 reais; foto). A massa curta, parente do orecchiette, vem puxada no molho de tomate com cogumelos, camarão e lula (aí sim no ponto correto!).

Também vale a pena provar a macia cotoletta suína à milanesa (76 reais; foto), muito bem empanada e servida com salada verde, tomatinhos e limão-siciliano tostado.

Na hora de bebericar, gins-tônicas (38 reais), clericot (35 reais) e vinhos como o uruguaio Garzón Reserva Tannat (228 reais) detêm a preferência. Nos sábados e domingos no almoço, a espera por mesa costuma demorar.

Dhomus (@dhomusrestaurante)
Rua Amauri, 27, Jardim Europa.
Reservas via WhatsApp: (11) 93903-9443.
Terça a sexta, 12h/15h30 e 19h/1h;
Sábado, 12h/1h;
Domingo, 12h/18h;
Fecha às segundas-feiras.

Fotos: @tasteandfly



HIGHLIGHTS
Dhomus

Faixa de Preço: $$$
Tipo de Cozinha: Italiana

Jornalista paulistano, foi crítico de bares da revista "Veja São Paulo" durante dez anos — período em que escreveu e foi jurado das edições anuais "Comer e Beber". Antes, trabalhou como colunista do jornal "O Estado de S. Paulo" (de 1994 a 2001) e colaborou para os extintos "Jornal da Tarde" e "Época São Paulo". Nos últimos dez anos, visitou dezoito países, sempre em busca de bons lugares para comer, beber, badalar e exercitar a boemia.

Seja o primeiro a comentar