Com novo chef, Tangará volta à excelência e tem tudo para reconquistar estrela Michelin

Erguido nos arredores do bucólico parque Burle Marx e uma das expressões máximas do luxo em São Paulo, o cinco-estrelas Palácio Tangará abriga em seu interior um restaurante à altura da sua sofisticação — o Tangará Jean-Georges, aberto também para não-hóspedes do hotel.

A casa deve seu nome ao francês Jean-Georges Vongerichten, chef-celebridade por trás de um império gastronômico de mais de 40 restaurantes espalhados pelo mundo, em cidade como Las Vegas, Miami, Los Angeles, Londres, Paris, Xangai, Singapura e Tóquio.

Um de seus restaurantes mais vistosos, detentor de duas estrelas Michelin, fica em Nova York, no térreo do Trump International Hotel and Tower, de frente para o Central Park e pertinho do Columbus Circus.

No pique de recuperar a estrela Michelin perdida em 2020, o Jean-Georges paulistano promoveu a chegada de um novo chef-executivo. Com a saída de Felipe Rodrigues (que foi para o novíssimo hotel Rosewood São Paulo), assumiu o bastão Filipe Rizzato (foto).

Ele tem no currículo passagem pelo Copacabana Palace, experiências profissionais em Londres e na Itália e seu último posto foi num hotel de luxo em Anguilla, ilha paradisíaca no Caribe próxima a Saint-Martin.

“Nem acreditei quando o telefone tocou e era este convite”, conta Rizzato, paulistano de nascimento e carioca de criação. “Me perguntei: como me acharam aqui?”.

Depois de muitos testes de aprimoramento, ele incluiu em fevereiro algumas de suas criações contemporâneas aos menus à la carte e de degustação. O resultado, como o TASTE AND FLY pode atestar, é realmente memorável e tem tudo para trazer de volta a cobiçada estrela Michelin neste ano.

Uma destas receitas formidáveis chama-se vieiras & couve-flor (158 reais; foto). Combina vieiras grelhadas envoltas num fascinante molho agridoce de açafrão com um sedoso purê de couve-flor com crumble de avelã, quinoa e presunto de Parma.

Também imperdíveis são o generoso foie gras grelhado na ótima companhia de manga caramelizada e redução de vinho marsala (165 reais; foto) e o lombo e costelinha de cordeiro na farinha panko servidos com bok choy (acelga chinesa) e pincelados com um delicado molho de pimenta defumada, nam pla e azeite de hortelã.

No menu-degustação de 6 tempos (675 reais) aparecem ainda dois clássicos de Jean-Georges — a posta de robalo com crosta de especiarias e legumes banhada por um caldo agridoce cheio de sabor e os laços de atum cru, cortados longitudinalmente, numa bela composição com avocado e molho discretamente picante de gengibre e chilli oil.

Para finalizar, a pedida são os morangos em infusão de yuzu servidos com merengue crocante, sorbet de coco, iogurte e semente de chia.

A harmonização do menu-degustação com vinhos sai por 525 reais. É imprescindível reservar.

Tangará Jean-Georges (@palaciotangara)
Rua Deputado Laércio Corte, 1501, Panamby, tel.: (11) 4904-4040.
Quarta a sábado, 19h/23h;
Fecha domingo, segunda e terça.



HIGHLIGHTS
Tangará Jean-Georges

Faixa de Preço: $$$
Tipo de Cozinha: Contemporânea

Jornalista paulistano, foi crítico de bares da revista "Veja São Paulo" durante dez anos — período em que escreveu e foi jurado das edições anuais "Comer e Beber". Antes, trabalhou como colunista do jornal "O Estado de S. Paulo" (de 1994 a 2001) e colaborou para os extintos "Jornal da Tarde" e "Época São Paulo". Nos últimos dez anos, visitou dezoito países, sempre em busca de bons lugares para comer, beber, badalar e exercitar a boemia.

Seja o primeiro a comentar