Gran Bar Bernacca brilha pela carta com 40 coquetéis clássicos, executados com maestria

O italiano Davide Bernacca e o catalão Gerard Barberan resolveram investir forte em coquetelaria. Sócios do restaurante Bottega Bernacca, que possui unidades nos Jardins, Itaim Bibi e agora também no shopping Iguatemi, eles lançaram o Gran Bar Bernacca.

Inaugurado no fim do ano passado, o endereço parece ser, à primeira vista, só mais um daqueles lugares elegantes e badalados do Itaim. A casa, felizmente, vai bem além disso e consegue despontar como um dos melhores bares de coquetelaria da cidade.

Vizinho à Bottega Bernacca da Rua Amauri, o Gran Bar Bernacca ocupa o mesmo salão de pé-direito alto onde funcionou extinto o japonês Miū. Depois de driblar o antipático gerente do lugar, instale-se no balcão de oito lugares, onde a bartender da casa, Ana Gumieri (ex-Lupe Bar y Taqueria), recebe todos com doçura.

Mais até que nos drinques autorais, vale se debruçar ali nos 40 coquetéis clássicos, organizados por ordem cronológica — pré-lei seca (1850-1916), lei seca (1920-1933), pós-lei seca (1933-1991) e clássicos modernos.

Na visita realizada, todos os drinques provados tiveram execução impecável.

Comece pelo centenário adonis (55 reais; foto), que ganhou este nome — reza a lenda — em homenagem ao primeiro musical da Broadway a atingir a marca de 500 apresentações. Servido na taça nick and nora, equilibra com rigor jerez oloroso, vermute tinto e bitter de laranja.

Entre os coquetéis da era da Lei Seca, uma escolha certeira recai sobre o old pal (43 reais; foto), datado de 1927, que traz uma potente combinação de uísque americano de centeio, Campari e vermutes seco e branco.

Continuando a jornada pela era pós-Lei Seca, chega-se ao célebre vieux carré (62 reais; foto), criado em 1938 na capital do jazz dos EUA, New Orleans. Complexo, harmoniza bourbon, conhaque Hennessy V.S.O.P., vermute tinto, licor Bénédictine e mix de bitters.

Para quem prefere, por outro lado, combinações mais suaves, Ana Gumieri manda bem no pisco punch (45 reais; foto).

Servido em copo alto com gelão retangular, o drinque leva pisco, cachaça envelhecida em jequitibá, rum 3 anos, suco clarificado de abacaxi feito na casa, laranja-baía e limão-siciliano. Por fim, é clarificado com leite.

Antes de iniciar a farra etílica, prove um dos bons petiscos, como o minisanduíche de carne de ossobuco desfiada (29 reais; duas unidades; foto) e o de steak tartar montado numa bisnaguinha de pão brioche (39 reais; duas unidades).

Vale apostar também nas minicoxinhas com massa de mandioca e mandioquinha e recheio de pastrami (20 reais; três unidades).

Gran Bar Bernacca (@granbarbernacca)
Rua Amauri, 244, Itaim Bibi.
WhatsApp: (11) 97351-7152.
Terça e quarta, 19h/0h;
Quinta e sexta, 19h/2h;
Sábado, 18h/2h;
Fecha domingo e segunda.

Fotos: @tasteandfly



HIGHLIGHTS
Gran Bar Bernacca

Faixa de Preço: $$$
Tipo de Cozinha: Petiscos

Jornalista paulistano, foi crítico de bares da revista "Veja São Paulo" durante dez anos — período em que escreveu e foi jurado das edições anuais "Comer e Beber". Antes, trabalhou como colunista do jornal "O Estado de S. Paulo" (de 1994 a 2001) e colaborou para os extintos "Jornal da Tarde" e "Época São Paulo". Nos últimos dez anos, visitou dezoito países, sempre em busca de bons lugares para comer, beber, badalar e exercitar a boemia.

Seja o primeiro a comentar